16 de fevereiro, terça-feira

Manutenção elétrica: mais preventivas e menos corretivas

Manutenção elétrica

Facebook

Todo engenheiro, eletricista ou profissional qualificado precisa se preocupar com a manutenção elétrica. Não somente na intenção de surpreendê-lo com a qualidade, mas com soluções que tragam segurança e conforto ao dia a dia dele.

É impossível falar de cuidados nessas áreas sem ter que citar a manutenção elétrica. Afinal, é um serviço que ajuda os profissionais a identificarem irregularidades e  evitar problemas maiores no futuro.

Dentro dessa esfera, devemos trabalhar com uma determinada premissa: mais preventivas e menos corretivas. Quer saber o porquê dela ser tão importante? Então continue conosco e tire suas dúvidas nos tópicos abaixo.

O que é uma manutenção elétrica preventiva

Uma manutenção elétrica preventiva tem como finalidade principal evitar todos os riscos possíveis nos sistemas elétricos. O profissional é encarregado de encontrar falhas, fazer uma supervisão geral e verificar se as máquinas e instalações estão sujeitas a danos ou propensas a parar o funcionamento.

Esse último fator pode ser muito danoso ao ambiente de trabalho, uma vez que todos lidam com um determinado cronograma de entregas internas e externas.

Uma fatalidade dessa natureza pode causar diferentes prejuízos às empresas. Sem falar nos casos de incêndios, acidentes e demais problemas que poderiam ser evitados com uma análise prévia.

Diferença da manutenção elétrica corretiva e preditiva

A diferença entre a manutenção elétrica corretiva e a preditiva está justamente na finalidade que cada uma traz. Enquanto a preditiva estuda possíveis cenários nocivos para aprender a combatê-los com soluções práticas, a corretiva repara as consequências geradas após um determinado problema ou falha.

Ou seja, é necessário analisar o que foi danificado, repor peças e dar procedimento às demais atividades que demandam tempo e o pagamento de um serviço que nem sempre faz parte do controle de riscos e de gastos de algumas empresas.

O papel do eletricista na conscientização dos clientes

Como foi dito anteriormente, existem fatores que podem trazer bastante prejuízos a uma empresa. Recomendar a prevenção é muito mais que garantir a satisfação do cliente, mas também evita a perda de tempo com correções que poderiam ser evitadas.

Além desse diferencial na manutenção elétrica, você também pode garantir a segurança nos materiais de instalação. Por exemplo, a importância da blindagem magnética nas canaletas de alumínio. Seja em corporações ou residências, essa solução traz a diminuição do ruído magnético e problemas de compatibilidade eletromagnética.

Periodicidade ideal

Tudo dependerá de como a empresa ou residência está sendo usada. Por exemplo, se o locatário sai de um determinado imóvel é recomendável que o locador faça uma manutenção elétrica preventiva a fim de prevenir novos moradores de qualquer irregularidade que a casa possa apresentar.

Como a própria NBR 5410 fala, tudo vai depender da sapiência do profissional na hora da análise e do estado dos equipamentos presentes naquele lugar.

Essas foram as nossas dicas sobre manutenção elétrica e o quanto é necessário aconselhar o cliente a fazê-la de maneira preventiva. Portanto, considere essas informações e oriente seus clientes a investir em soluções inteligentes para o futuro.

Nós da DUTOTEC® investimos em tecnologias de ponta para trazer soluções de qualidade aos seus projetos. Visite agora nosso site e conheça nossos diferenciais!

18 de janeiro, segunda-feira

NBR de instalações elétricas: conheça as principais Normas ABNT para eletricistas

NBR de instalações elétricas

Freepik

Para fazer um serviço com total segurança e cumprir com uma padronização que garantirá a qualidade no resultado final, todo eletricista deve ter um amplo conhecimento das Normas da ABNT sobre instalações elétricas e/ou correlatas. Ou seja, as normas importantes para as boas práticas neste setor.

Os projetos elétricos têm a intenção de garantir a satisfação do proprietário de uma casa, empresa, edifício ou um outro espaço que dependa de energia. Quanto melhor for a desenvoltura dos trabalhadores envolvidos, maiores são as chances dos resultados suprirem as expectativas do cliente.

Nos tópicos abaixo, aparecem as principais Normas para instaladores e projetistas conhecerem, suas características e propostas.

Normas referentes aos materiais e boas práticas no serviço

NBR-9050 – ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS

Para garantir a presença da acessibilidade no projeto elétrico, a NBR-9050 tem a proposta de garantir que o resultado final de uma reforma ou obra contemple as condições de cada morador ou público daquele ambiente.

Por exemplo, na construção de lugares públicos são considerados aspectos como rampas na entrada do estabelecimento às pessoas com dificuldade de locomoção, informações em braile em locais pertinentes e outras medidas que tornam possível a mobilidade e o bem-estar dos indivíduos naquele lugar.

NBR-13534 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE – REQUISITOS PARA SEGURANÇA

A NBR-13534 diz respeito às instalações elétricas de baixa tensão, normas importantes que garantem a segurança e o bom funcionamento das instalações elétricas em áreas ligadas à saúde. O intuito é que o profissional sempre trabalhe de maneira preventiva a fim de impedir qualquer flagra ou má consequência no sistema elétrico.

NBR-13570 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM LOCAIS DE AFLUÊNCIAS DE PÚBLICO – REQUISITOS ESPECÍFICOS

Com o propósito de garantir a integridade do público, a NBR-13570 traz regras que impedem qualquer possibilidade de incêndio ou choques elétricos em lugares que apresentem uma grande movimentação diária de pessoas.

NBR-14136 – PLUGS E TOMADAS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO ATÉ 20A/250V EM CORRENTE ALTERNADA – PADRONIZAÇÃO

A NBR-14136 para instalações elétricas é focada na padronização de plugues e tomadas. Segundo o que ela propõe, a tomada precisa ser de apenas dois modelos: de 10 A e de até 20 A. Os plugues precisam se encaixar devidamente nessas duas condições.

RESOLUÇÃO RDC Nº 50 (RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA – REGULAMENTO TÉCNICO PARA PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE) – DA ANVISA (AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA)

A saúde sempre deve ser colocada em primeiro plano e é necessário que os estabelecimentos que prestam serviços que garantem a qualidade de vida da população sigam algumas padronizações para ofertar uma adequada prestação de serviço.

Com isso foi criada a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) de Nº 50, um regulamento técnico que garante a segurança dos pacientes e também a responsabilidade e comprometimento do público interno nas soluções propostas nesse segmento com os devidos equipamentos.

Normas adicionais para projetos com rede de dados

Devemos ainda registrar que quando se tratar de projetos de redes de dados, que sempre estão associados às instalações elétricas, se faz necessário ainda, nos determos em duas outras normas a saber:

NBR-14565 – CABEAMENTO ESTRUTURADO PARA EDIFÍCIOS COMERCIAIS E DATA CENTERS

A NBR-14565 propõe a padronização de um sistema de cabeamento estruturado. As normas auxiliam o eletricista a fazer esse serviço de maneira correta nos projetos em edifícios.

NBR-16415 – CAMINHOS E ESPAÇOS PARA CABEAMENTO ESTRUTURADO (ESPECIFICA A ESTRUTURA E OS REQUISITOS PARA OS CAMINHOS E ESPAÇOS, DENTRO OU ENTRE EDIFÍCIOS, PARA TROCA DE INFORMAÇÕES E CABEAMENTO ESTRUTURADO, DE ACORDO COM A NBR-14565)

O eletricista precisa agregar o conhecimento da NBR instalações elétricas do tópico anterior com a NBR-16415 que propõe de forma específica quais são os caminhos e espaços em uma cabeamento estruturado.

Algumas informações em relação a manutenção de instalações elétricas

O ideal é que todas instalações elétricas possuam um atestado de conformidade destas instalações. Embora ainda não obrigatória, esta conformidade já é exigida por alguns órgãos/entidades. O Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo criou uma INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 – INSPEÇÃO VISUAL DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, DO CORPO DE BOMBEIROS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Apesar de ser uma instrução do estado, deveria ser utilizada por todos. Essa padronização facilita o trabalho do Corpo de Bombeiros em fazer uma análise preventiva e identificar qualquer risco de incêndio no local.

Neste artigo você conferiu alguns tipos de NBR instalações elétricas para que seus projetos elétricos sigam as normas e evitem qualquer tipo de riscos. Portanto, considere cada uma delas e sempre fique atento aos assuntos relacionados a sua área.

Para contribuir no seu aprimoramento profissional, indicamos como conteúdo complementar a esse o artigo sobre erros mais comuns em projetos elétricos.

11 de dezembro, sexta-feira

Cuidados nas instalações elétricas e erros mais comuns

Homem tendo cuidados nas instalações elétricas

Freepik

 

Existem alguns cuidados em instalações elétricas que todo eletricista deve ficar atento na hora de construir um determinado projeto. Afinal, o Brasil ainda apresenta casos de acidentes graves vinculados a esse tipo de circunstância.

Portanto, além da valorização da vida das partes envolvidas, alguns fatores devem ser considerados para evitar qualquer erro ou consequências negativas.
Nos tópicos abaixo constam algumas informações relevantes para todo profissional que atua neste segmento e busca melhorar constantemente a qualidade e a agilidade dos seus serviços.

Os principais cuidados em instalações elétricas

Com foco na responsabilidade de garantir a segurança e evitar situações de risco, separamos alguns cuidados com instalações elétricas que o trabalhador precisa ficar atento na hora de conduzir o projeto e oferecer a solução que atende ao escopo estabelecido.

Alertas de erros

Seja em uma reforma, construção ou na manutenção, o profissional deve ficar atento a certos sinais que indicam que algo está errado.

Por exemplo, fios com capa externas danificadas (desencapados), odor característico de isolamento com excesso de temperatura (cheiro de queimado) e/ou tomadas e disjuntores com excessivo aquecimento (que possam danificá-los).

Esses detalhes devem ser averiguados em manutenções periódicas e imediatamente corrigidos para que incêndios, choques elétricos e outros acidentes sejam evitados.

Manutenção periódica

É impossível garantir que o cliente final de um projeto elétrico fará as manutenções necessárias e periódicas. Por isso que o indicado é alertá-lo sobre os problemas que podem ocorrer devido a falta de manutenção e até indicar profissionais e a frequência desse trabalho como incentivo.
Esse é um dos principais cuidados com instalações elétricas e permite serviços como a checagem de tomadas, disjuntores, fios/cabos e demais componentes que devem sempre apresentar um bom funcionamento.

Atenção as Normas

Em relação às instalações elétricas, existem diversas normas da ABNT, em especial a NBR- 5410 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Ademais, sempre que se trabalha com projetos e serviços ligados a instalações elétricas, deve se ter em mente todas as regulamentações envolvidas. Isso porque além da NBR-5410, devemos nos atentar para algumas outras normas que também são importantes, tais como:

  • NBR-9050 – ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS;
  • NBR- 13534 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE – REQUISITOS PARA SEGURANÇA;
  • NBR-13570 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM LOCAIS DE AFLUÊNCIAS DE PÚBLICO – REQUISITOS ESPECÍFICOS;
  • NBR-14136 – PLUGS E TOMADAS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO ATÉ 20A/250V EM CORRENTE ALTERNADA – PADRONIZAÇÃO;
  • RESOLUÇÃO RDC Nº 50 (RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA) – ANVISA (REGULAMENTO TÉCNICO PARA PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ELABORAÇÃO E
  • AVALIAÇÃO DE PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE).

Nestas Normas, estão contidas todas as informações e diretrizes necessárias sobre os materiais que podem ser usados e boas práticas encorajadas durante a prestação dos serviços.
Além disso, é interessante salientar que quando se trata de projetos de redes de dados (que sempre estão associados às instalações elétricas), também se faz necessário nos determos em outras duas normas. São elas:

  • NBR-14565 – CABEAMENTO ESTRUTURADO PARA EDIFÍCIOS COMERCIAIS E DATA CENTERS;
  • NBR-16415 – CAMINHOS E ESPAÇOS PARA CABEAMENTO ESTRUTURADO (ESPECIFICA A ESTRUTURA E OS REQUISITOS PARA OS CAMINHOS E ESPAÇOS, DENTRO OU ENTRE EDIFÍCIOS, PARA TROCA DE INFORMAÇÕES E CABEAMENTO ESTRUTURADO, DE ACORDO COM A NBR-14565).

Se formos nos atentar especificamente a serviços de manutenção, é interessante observar além das Normas acima descritas e verificar também uma instrução elétrica (a seguir), que apesar de ser uma instrução do estado, pode ser utilizada por todos:

  • INSTRUÇÃO ELÉTRICA Nº 41/2011 – INSPEÇÃO VISUAL DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, DO CORPO DE BOMBEIROS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Ademais, gostaríamos de salientar que seria interessante se esta IT-41/2011 fosse utilizada em todos estados.

Os erros mais comuns na gestão dos projetos

Além de conhecer os cuidados com instalações elétricas, é importante termos conhecimento de erros comuns em situações como estas e que poderão ser evitados devido ao comprometimento do gestor do projeto em garantir a entrega de um resultado único. Confira alguns deles abaixo.

Sobrecarga de disjuntores

Apesar de óbvio, um erro muito comum quanto a sobrecarga é usar o mesmo disjuntor para circuitos diferentes. Isso porque a chance de acontecer a sobrecarga é muito maior, principalmente quando envolvem aparelhos que exigem mais potência, como ar-condicionado e chuveiros elétricos.

Na NBR-5410, em 4.2.5 se fala sobre a “Divisão de Circuitos”, para atender as exigências de:

  • segurança;
  • conservação de energia;
  • funcionais;
  • de produção;
  • de manutenção.

Em 4.2.5.5, é dito que circuitos distintos devem ser previstos para iluminação e tomadas. Entretanto, se tratando de instalações residenciais, em 9.5.3, é salientado que com restrições é permitida a mistura de iluminação com tomadas.

Ainda, em 9.5.3.1, tratando-se de instalações residenciais, é dito:

“Todo ponto de utilização previsto para alimentar, de modo exclusivo ou virtualmente dedicado, equipamento com corrente nominal superior a 10 A deve constituir um circuito independente.”

Sendo assim, o recomendado é que os circuitos fiquem separados para balancear a carga total. Afinal, a sobrecarga é o que leva ao curto-circuito em diversos casos, que pode gerar incêndios ou provocar a queima dos aparelhos elétricos da casa.

Disjuntores incompatíveis aos cabos

Fios/cabos incompatíveis com o disjuntor, ou seja, onde a corrente nominal do circuito não é compatível com a capacidade de corrente do disjuntor, também pode levar a sérios problemas, inclusive a um curto-circuito.

Os erros relacionados à incompatibilidade dos disjuntores com os cabos podem vir desde o projeto elétrico — por isso a importância de contratar um profissional capacitado e habilitado — ou em uma manutenção incorreta.

Falta de instalação do DR

A inexistência de um DR (Diferencial Residual) é um problema muito comum e quase sempre ocorre já no início do projeto, em sua elaboração.

Isso porque a função desse dispositivo é detectar fugas pequenas da corrente em circuitos elétricos. Quando detectado, o DR aciona imediatamente o desligamento da alimentação energética para evitar que ocorram acidentes graves;

Sendo assim, se trata de um componente obrigatório que protege contra choques, principalmente em ambientes onde o contato com a água é constante, como cozinha, banheiro, quintal, entre outros.

Fios e cabos desbitolados

Usar fios e canos desbitolados (é aquele que não tem a quantidade suficiente de cobre para atender a corrente para o qual ele foi adquirido), é um erro inadmissível e já na elaboração do projeto ele não pode ser tolerado. Isso porque o uso dos materiais neste estado não são regulamentados pela ABNT, muito menos certificados por qualquer órgão de segurança.

Ou seja: não podem ser usados fios e cabos desbitolados em qualquer projeto elétrico. Além de que a fabricação deles também está totalmente fora das normas.

Ademais, existem algumas fraudes que chegam ao ponto de falsificar o Selo do Inmetro para que fios e cabos possam ser usados de qualquer forma. A consequência dessa negligência é grave para o usuário que paga a conta de luz, que terá um valor absurdamente alto.

Profissionais sem qualificação e habilitação

Um gerente de projeto elétrico ou contratante não pode se descuidar da qualificação e habilitação profissional dos membros do seu time ou terceirizados. Todos os profissionais envolvidos precisam estar a par das normas e as boas práticas para oferecer os resultados adequados às necessidades de cada espaço.

Qualidade dos materiais

Assim como a contratação de profissionais sem qualificação e habilitação muitas vezes se deve aos cortes de orçamento ou à procura pela solução mais barata, o mesmo ocorre com a compra dos materiais.

O problema de recorrer a produtos analisando somente o preço é que o risco da durabilidade ser muito baixa é iminente. A longo prazo, esse tipo de decisão não compensa e acaba até pesando mais no bolso.

O ideal é sempre pensar na contratação de profissionais e na compra dos materiais como um investimento a longo prazo. Quanto melhor a qualidade, menos problemas o projeto elétrico apresentará ao longo do tempo.

Pensando nisso, convidamos os leitores para conhecerem as soluções DUTOTEC, referência de qualidade no mercado nacional, para ter um bom parâmetro de excelência e segurança dos materiais.

21 de outubro, quarta-feira

Importância das normas nas instalações elétricas: NBR-5410

Quando se fala em instalações elétricas, falamos também em toda uma cadeia de profissionais envolvida no processo, e a responsabilidade é compartilhada. O que resguarda a segurança e respalda esse trabalho são as normas e regulamentos técnicos. Caso ignorado esse conjunto de normativas, especificamente, ou num todo, o resultado pode ser um potencial problema futuro, colocando em risco vidas humanos e causando perdas patrimoniais significativas.

Segundo o engenheiro elétrico e especialista Hilton Moreno, durante o ciclo de palestras promovido pela Dutotec, em parceria com a Revista Potência, dispomos hoje de centenas de normas para produtos pensados para o setor elétrico e outras diversas para instalações elétricas, porém no caso das instalações há brechas que acabam por afrouxar a adoção dessa normas.

Ainda segundo ele, se as instalações precisam de peças certas nos lugares certos, também a montagem, o funcionamento e a manutenção devem seguir regras. O que garante isso é a certificação, um processo que examina e garante que as normas foram cumpridas, através de laudos técnicos. O grande problema é que a certificação para instalações ainda engatinha no Brasil.

Entraves

Outro fator a ser observado seria a origem das normas: há um monopólio no país para a elaboração dessas normas. A Associação Brasileira de Normas Técnicas, a ABNT, uma entidade privada e sem fins lucrativos, é quem define essa normatização. Segundo a constituição federal, não há obrigatoriedade em seguir regras estabelecidas por entidades privadas, portanto o respeito as mesmas, em teoria, seria voluntária.

Jurisprudência

No entanto, segundo entendimento do judiciário, se uma portaria, lei ou decreto cita uma norma, automaticamente ela passa a ser considerada uma lei secundária. Tanto na esfera federal quanto na estadual ou municipal, centenas de documentos dão respaldo as normativas da ABNT. Então não tem desculpa, elas têm que ser cumpridas.

NBR-5410

A NBR-5410 é a norma que estipula as condições adequadas para o funcionamento usual e seguro das instalações elétricas de baixa tensão, ou seja, até 1000V em tensão alternada e 1500V em tensão contínua. Esta norma é aplicada principalmente em instalações prediais, públicas, comerciais, etc. Sua aplicação é essencial para a segurança, portanto iremos abordar alguns dos tópicos citados pelo engenheiro Hilton Moreno.

Objetivos

Esta norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

Aplicação

A NBR-5410 é uma normatização voltada às instalações prediais, entretanto quando se fala de instalação predial, logo correlacionamos apenas com instalação residencial. Para evitar desinformação, os seguintes tópicos esclarecem e exemplificam a aplicação desta norma:

• Áreas descobertas externas a edificações;
• Locais de acampamento, marinha e instalações análogas;
• Instalações temporárias como canteiros de obras, feiras, etc.;
• Circuitos elétricos alimentados sobtensão nominal igual ou inferior a 1000 V em corrente alternada (CA), frequência inferior a 400 Hz, ou a 1500 V e corrente contínua (CC) (modificação vinda da norma NR-10, que estabelece o que é baixa tensão);
• Circuitos elétricos que não estão dentro de equipamentos, funcionando sobre tensão superior a 1000 volts, e alimentados por uma instalação igual ou inferior a 1000 volts e corrente alternada. • • Circuitos de lâmpadas de descarga, por exemplo;
• Fiações e redes elétricas que não estejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos de utilização;
• Linhas elétricas fixas de sinal com exceção dos circuitos internos dos equipamentos;
• Instalações novas e já existentes, sobre reforma.

NBR-5410 não se aplica:
Alguns dos pontos citados pertencem a normas próprias e específicas a instalação, mesmo estando dentro das instalações de baixa tensão, por isso a NBR-5410 não se aplica aos mesmos:
• Instalações de tração elétrica;
• Instalações elétricas de veículos motores, carros elétricos, por exemplo;
• Instalações de embarcações e aeronaves;
• Equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em que não comprometa a segurança das instalações;
• Iluminação pública;
• Redes públicas de distribuição elétrica;
• Instalações de proteção contra quedas diretas de raios, porém esta norma considera as consequências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações, por exemplo, seleção dos dispositivos de proteção contra sobre tensão;
• Instalações em minas;
• Instalações em cercas elétricas;

A NBR-5410 existe justamente pela preocupação com as instalações elétricas de baixa tensão, pois muitos acidentes ocorrem neste tipo de instalação com usuários que nem sempre possuem qualificação. Cumprir a norma é assegurar que estas instalações estejam funcionando de forma segura.

Conte com a linha Dutotec em seu projeto, ela atende a todas as principais normas exigidas para cabeamento estruturado, como ANSI, TIA, EIA, ISO, ABNT e IEE. O alumínio, matéria prima de nossas canaletas, aliado ao ABS – que é auto-extinguível – proporciona segurança total em seu projeto.

 

Dutotec: 100% nacional, gerando emprego e renda no Brasil!